2 de jul de 2008

VALORIZAR A VIDA - CIDADANIA - ditadura ou democracia?

"Somos todos iguais ...Braços dados ou não...Nas escolas, nas ruas..."
*
Aula de História, Geografia, Ciências, Português, Matemática e Arte:
Aprendendo a ser Brasileiro - Valorização da Vida - Cidadania
Linha do tempo, das Diretas Já ao tempo atual - Brasil 2008


SOU CIDADÃO
(Rafael – 4ºD – PRO Olívia)
Sou filho de um trabalhador
Odete é minha mãe
Um dia saindo para procurar serviço, pôs a mão na cabeça,
Cidade com tanta burocracia...
Idade, escolaridade, boa aparência...
Dando o melhor deles para nós, o nosso pai, mãe, trabalhador.
Assim tentamos ser bons filhos
O exemplo está em nossos lares, por isso temos muito que estudar,
que um dia possamos ser um cidadão reconhecido pela sociedade.


*
Criança cidadã
(Matheus de Andrade Neves)
Cidadão é ter direitos para sempre.
Ir para a escola trabalhar desde criança fazer brincadeiras
Dedicação, todos os dias, criar laços, ter educação com os mais velhos. Amar e respeitar seus pais.
Dever importante é vir para a escola.
Ajudar a todos , estudar durante as férias.
Observar o estudo na sala de aula, participar feliz e aprender.


Nosso querido Paulo Freire, sempre presente !

"A luta dos professores em defesa de seus direitos e de sua dignidade deve ser entendida como um momento importante de sua prática docente, enquanto prática ética.
Não é algo que vem de fora da atividade docente, mas algo que dela faz parte"
"Um dos piores males que o poder público vem fazendo a nós, no Brasil, historicamente, desde que a sociedade brasileira foi criada, é o de fazer muitos de nós correr o risco de, a custo de tanto descaso pela educação pública, existencialmente cansados, cair no indiferentismo fatalistamente cínico que leva ao cruzamento dos braços. 'Não há o que fazer' é o discurso acomodado que não podemos aceitar."

( Paulo Freire )
*


*

Pra Não Dizer Que Não Falei Das Flores
Geraldo Vandré
Composição: Geraldo Vandré

Caminhando e cantando
E seguindo a canção
Caminhando e cantando
E seguindo a canção...

Vem, vamos embora
Que esperar não é saber
Quem sabe faz a hora
Não espera acontecer...(2x)

Pelos campos há fome
Em grandes plantações
Pelas ruas marchando
Indecisos cordões
Ainda fazem da flor
Seu mais forte refrão
E acreditam nas flores
Vencendo o canhão...

Vem, vamos embora
Que esperar não é saber
Quem sabe faz a hora
Não espera acontecer...(2x)

Há soldados armados
Amados ou não
Quase todos perdidos
De armas na mão
Nos quartéis lhes ensinam
Uma antiga lição:
De morrer pela pátria
E viver sem razão...

Vem, vamos embora
Que esperar não é saber
Quem sabe faz a hora
Não espera acontecer...(2x)

Nas escolas, nas ruas
Campos, construções
Somos todos soldados
Armados ou não
Caminhando e cantando
E seguindo a canção
Somos todos iguais
Braços dados ou não...

Os amores na mente
As flores no chão
A certeza na frente
A história na mão
Caminhando e cantando
E seguindo a canção
Vem, vamos embora
Que esperar não é saber
Quem sabe faz a hora
Não espera acontecer...(4x)

Nenhum comentário: